Comportamento

Como ser menos influenciável?

Você é do tipo que costuma ficar impregnado pelos sentimentos dos outros a ponto de mudar de humor? Num mesmo dia, você tem variações, passando de sensações de bem-estar para algo diametralmente oposto, meio deprê? Se um amigo passa por algo difícil, além de acolher os seus sentimentos, você absorve para si, ficando mal e perdendo a vitalidade?

Como mudar esse padrão de funcionamento e continuar a ser sensível?

Aqui vão algumas dicas:

👉Quando estiver se sentindo bem, hiperdimensione esta sensação no seu corpo e a expanda na máxima potência. Pense em algo bom sobre você e peça ao seu inconsciente para que lhe envie um símbolo que represente este estado de plenitude emocional bom e saudável.

👉Centre-se em quem você é, nas sensações de bem-estar.

👉O pensamento do mais forte se sobrepõe ao do mais fraco. Portanto, se você for ouvir, ver ou estar com alguém perturbado, ou mesmo for a algum local "estranho", fique ciente de que tudo é pensamento e que estamos constantemente criando realidades. Se você não estiver conectado com o seu lugar de bem-estar, o pensamento mais forte ocupará você por inteiro.

👉Na sua tentativa de ajudar, jamais se esqueça de quem você é a ponto de se perder de si mesmo.

👉Se tiver alguma dificuldade para preencher-se de si mesmo, busque fazer alguns atendimentos de reprocessamento cerebral para que seus circuitos neurológicos possam se viciar em um padrão de funcionamento elevado, com todos os seus recursos pessoais ativados e fixos em você de modo inquebrantável.

👉 Quanto mais você sabe sobre si mesmo, mais presente fica e menos permeável estará. Depois de se estabelecer neste padrão de saúde emocional e psíquico, se for um desejo de alma genuíno seu, você poderá ajudar aos outros por meio da empatia, amor e compaixão sem precisar se perder.

💎Quanto mais despertos, melhor!

Silvia Malamud

Mau humor do parceiro como manipulação perversa

MAU HUMOR DO PARCEIRO COMO MANIPULAÇÃO PERVERSA

👉Você costuma ficar desestabilizada sempre que o seu parceiro está de mau humor?

👉É comum ele cismar com algo que supostamente você fez, te deixando sem entender, te dando “um gelo” e te ignorando?

👉Você se sente constantemente observada e “pisando em ovos”, com medo das suas mudanças de humor?

👉Mesmo sem motivos aparentes e sem avisar, ele aparece com cara de poucos amigos, te deixando sem saber o que provocou aquele estado?

👉Já reparou se, nessas ocasiões, ele fica em silêncio, instalando um clima constrangedor, não falando o motivo ou te fazendo se sentir culpada?

Se acaso estiver passando por este tipo de situação, abra os olhos e retire o véu tóxico que está minando a sua lucidez. A manipulação perversa pelo mau humor é uma das artimanhas dos predadores emocionais. Com isso, conseguem a façanha de acuar e coagir a vítima, mesmo que de forma velada.

O diálogo fica difícil, posto que, além de se esquivarem do que fazem, articulam para que você pense que está louca - desqualificando sua percepção, lhe incutindo culpas e ameaças. Ficam alterados, irados e magoados se você ousar reclamar.

Cuidado para não confundir o mau humor clássico, uma patologia clínica, com o mau humor manipulativo. No mau humor manipulativo, existe um prazer oculto que tem o único objetivo de subjugar e aprisionar as vítimas, que permanecem assustadas, tensas e ansiosas.

Para as vítimas, a dica é um tratamento psicoterapêutico de excelência a fim de fortalecer a personalidade, onde os pontos emocionais obscuros que servem de isca para esses manipuladores percam totalmente o sentido, força e validade. Se acaso estiver com alguém assim, saiba que dificilmente eles mesmos irão se tratar, ou mesmo achar que tem um problema. Então, cuide de você, salvando-se o quanto antes deste tipo de estrategista perverso.

💎Quanto mais despertos, melhor!⠀

Silvia Malamud

Como lidar com a Síndrome do Impostor

Já lhe aconteceu de ter sido elogiado, mas não se enxergar merecedor? Já se sentiu como se fosse um impostor de si mesmo?

Às vezes, por mais que tenhamos construído estruturas de conhecimento, esse tipo de desconforto funciona como uma rasteira com capacidade de nos colocar na visão mais negativa que podemos ter sobre nós mesmos.

Para pessoas com esse tipo de sensibilidade, um simples elogio, crítica, olhar atravessado ou alteração de humor tem poder suficiente para as colocarem chão abaixo.

Muitos daqueles que passam pelo silencioso desconforto de se acharem impostores, tentam superar a dor da falsa percepção de si mesmos em meio a várias condutas estratégicas, às vezes trabalhando além da medida, às vezes deixando de se esforçar ou de tentar algo novo com medo de falharem. Uma tortura autoimposta e totalmente inconsciente.

Quando em crise, o próprio protagonista deste tipo de cenário pode não ter clareza suficiente para sair dessa sozinho precisando de apoio externo. Em casos mais graves, uma atenção redobrada de terapeutas, amigos e familiares se torna preciosa e preventiva para que situação emocional não se reverta em danos maiores como depressões profundas e até pensamentos suicidas.

Vários são os motivos que levam a pessoa para a síndrome do impostor, mas o interessante a saber é que este suposto eu impostor também faz parte da totalidade da pessoa e, portanto, não é tão impostor como é visto, apenas está dissociado da essência. Um bom trabalho psicoterapêutico pode renovar a pessoa de modo mais unificado e com a energia em abundância para que os propósitos de alma possam de verdade acontecer.

💎Quanto mais despertos, melhor!⠀

Silvia Malamud⠀

Narcisismo perverso

O narcisista perverso não suporta ver brilho fora dele. Qualquer pessoa que esteja por perto, numa relação mais próxima, ameaça a sua frágil percepção de si mesmo e, como o vazio interior é grande, a luz do outro deve ser apagada imediatamente. Isso não fica efetivamente em evidência porque ele sabe das leis de boa conduta e precisa, por sua característica narcísica, parecer “bem na fita”.

Uma de suas principais armas é a promessa de um relacionamento de fusão, ou seja, de compatibilidade absoluta seja em qual área for. Para tanto, o grau de sedução vai às alturas. Nessa fase, as promessas fazem o colorido das conversas e com isso ele vai descobrindo o que falta na vítima, onde dói e o que precisa ser suprido.

Após a entrega afetiva da vítima, quando se cai na ilusão de que as carências podem ser sanadas, o lado perverso aparece. De uma hora para outra, a vítima passará a ser criticada, nunca será suficientemente boa no que faz e nem como é. Juntamente com as críticas, uma ameaça sinistra de abandono fica pairando no ar.

As vítimas, uma vez fisgadas e com medo do abandono, esquecem-se de que há pouquíssimo tempo estavam autossuficientes em suas vidas e com o seu brilho próprio.

A solução para esse impasse está na consciência do lugar onde se está e no auxílio terapêutico para sair dessa trama de modo fortalecido - uma oportunidade de curar feridas emocionais escondidas, mas que gritam alto quando ativadas e não devidamente tratadas.

💎Quanto mais despertos, melhor!

Silvia Malamud

linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram