A grande ilusão do tempo na jornada da transformação pessoal

As nossas identidades estão organizadas num espaço temporal que pressupõe a continuidade de um “eu” (mutante por natureza), com uma sucessão imaginária de momentos - que se processam no presente - que o sustentam. A grande questão aqui exposta é a de que o tempo objetivo, como o concebemos, não existe...

O homem da antiguidade, para sobreviver, teve que inventar o mundo, a realidade e a cultura. Desenvolveu então uma ficção, uma construção imaginária que passou a chamar de tempo. Faz tanto tempo que se inventou essa história da linha do tempo que passamos a acreditar que se trata de algo real.

Atualmente existe uma pesquisa antropológica em uma tribo indígena onde a construção de realidade está baseada somente no agora. É altamente difícil e até mesmo inconcebível, para nós, compreender esse tipo de funcionamento da consciência.

Em nosso universo cultural, a sanidade é vista como uma construção coletiva de realidade compartilhada. Podemos observar o cinema, as revistas e a TV cumprindo a função de organizar protótipos históricos de projetos vitais que seriam vistos como os valores e as carreiras que o sistema social aceita e indica. O “script” transmitido pelos pais também pode ser visto como a primeira trama histórica a ser vivida.

Na jornada da ampliação da consciência, a pessoa deve procurar se transformar ao mesmo tempo em que preserva a sua identidade. Deve sempre primar por ter o sentido de reconhecimento de si mesma, fazendo leitura de suas sensações e sentimentos com relação ao novo, associando-se ao que apreende e ao que recorda de si mesma em sua história de vida. Enfim, transformando-se em outra, integrando todos os “eus” que vivenciou rumo ao “eu” que almeja ser.

A nossa consciência é pontual, ou seja, somos um “eu” mutante que se apropria de si mesmo de instante a instante. A continuidade da consciência ocorre como resultado de uma construção imaginária temporal que está inserida na cultura e na história.

Falamos com bastante ênfase neste aspecto da trama do tempo porque os buscadores dificilmente raciocinam sobre este aspecto da existência, mas se a busca for séria e comprometida, é certo que num dado momento acontecerá a tomada de consciência da inexistência do tempo como qualidade objetiva.

O desarmamento desta construção cultural pode trazer a vivência de um vácuo quase que insuportável. Nesse ponto de desconstrução dessa trama, muitas vezes o buscador pode ter uma enorme surpresa ao se deparar com um imenso vazio... Um momento verdadeiro e passível de ocorrer quando constatamos que o tempo é uma mera construção cultural no processo da vida, e que este contexto apenas nos dá a ilusão de um filme em movimento.

No encontro com o vazio pode-se encontrar a potência da criação das realidades dinamizadas por um “eu” saudável. Na desconstrução da trama da realidade temporal podemos encontrar a liberdade de uma ação altamente criativa e totalmente lúcida, onde a cultura e a história são utilizadas apenas como ferramentas para nos expandirmos na existência. Essa é a possibilidade de se sair do esquema robotizado e finalmente se alcançar o começo de tudo, o SER.

Portanto, se em algum momento, em sua jornada de ampliação da consciência, você tiver a experiência da desconstrução dessa trama, não se desespere, aja.

A percepção define o presente, que é só espaço, e por outro lado a memória (o estoque de informações) define o passado... e você está no aqui! Aproveite tudo isso no topo de suas possibilidades! Algumas possibilidades experenciadas na desconstrução do tempo: o tempo expandido; a percepção de viver uma eternidade num instante (samadi); a exaltação de um triunfo esperado; o orgasmo; um êxtase do sagrado. Se você estiver lúcido, terá o prazer de se perceber fora do tempo combinado na atual trama cultural.

💎 Quanto mais despertos, melhor!
Silvia Malamud

linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram